Rodrigo Corrêa-Oliveira

Possui graduação em Biologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (1980), mestrado em Bioquímica e Imunologia pela Universidade Federal de Minas Gerais/UFMG (1981) e doutorado em Imunologia - Johns Hopkins University (1985). É pesquisador titular da Fundação Oswaldo Cruz, Professor Visitante da Escola de Enfermagem da UFMG, Professor Visitante da Iniversidade Federal de Ouro Preto, UFOP. Professor Adjunto da George Washington University School of Medicine and Health Sciences/USA e Pesquisador adjunto da Texas Biomedical Institute em San Antonio Texas. Foi Vice-Presidente do Board do TDR da Organização Mundial da Saúde (2006-2007), membro do Conselho Curador da Fundação Amparo a Pesquisa de Minas Gerais/FAPEMIG (2010-2012), Diretor do Centro de Pesquisas René Rachou/FIOCRUZ (2009-2012) é membro do CA de Biotecnologia do CNPq, membro do Strategic Advisory Board do Keystone Symposia e Presidente do National Institutes of Health Alumuni Assosiation - Chapter Brasil. Seus trabalhos tem focado principalmente no estudo de mecanismos de susceptibilidade e resistência a infecção por Schistosoma mansoni, Trypanosoma cruzi, Leishmania e geohelmintos. Os estudos envolvem avaliação da resposta imune de indivíduos residentes em áreas endêmicas estudando aspectos como mecanismos naturais de resistência o infecções, induzidos pelo tratamento contínuo, papel das co-infecções na manutenção da transmissão, genética de populações, estudos comportamentais e socio-economicos e de distribuição e acesso ao tratamento. Vale ressaltar ainda, os estudos voltados para o desenvolvimento e ensaio clínico para novas vacinas contra a esquistossomose e ancilostomose. Em doença de Chagas tem focado no entendimento do processo de desenvolvimento das formas graves da doença assim como em mecanismos imunológicos que determinam a evolução para a forma cardíaca. Os estudo em áreas endêmicas para esta enfermidade tem focado principalmente na genética de populações e identificação de biomarcadores para a determinação de desenvolvimento de cardiomiopatia. Mais recentemente, tem desenvolvido estudos em leishmaniose canina focando principalmente no desenvolvimento de uma vacina contra a infecção em cães.